quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - Cantates BWV 170 & 35

Vamos a mais um disco bastante especial, posto que temos a música de Johann Sebastian Bach. Como avisei desde o início do  mês, todos os dias eu tenho tentando postar algo que faça jus ao espírito que perpassa o mês de dezembro. É um mês de confraternizações; de salamaleques variados. Nesse mês os cristãos de todo o mundo comemoram, pro convenção, o aniversário de nascimento do seu salvador. Como a arte não tem religião, ou seja, ela estar a serviço da humanização e da dignificação do ser humano, resolvi postar compositores que professam todos os credos. E Bach foi um compositor deveras especial. Era luterano. Alguém que tinha uma fé profunda em seu deus. Essa crença pessoal não tinha como se dissociar de sua inspiração. Por isso, resolvi postar este delicioso disco. Não deixe de ouvir este delicioso disco. Uma boa apreciação!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - Cantates, BWV 170 & 35

01.  Aria. Vergnügte Ruh', beliebte Seelenlust
02. BWV 170_ Recitativo. Die Welt, das Sündenhaus
03. BWV 170_ Aria. Wie jammern mich doch die verkehrten Herzen
04. BWV 170_ Recitativo. Wer sollte sich demnach
05. BWV 170_ Aria. Mir erkelt mehr zu leben
06. Sonate en Trio No. 3 in ré mineur, BWV 527_ I. Andante
07. BWV 527_ II. Adagio e dolce
08. BWV 527_ III. Vivace
09. Geist und Seele wird verwirret, cantate, BWV 35_ Concerto
10. BWV 35_ Aria. Geist und Seele wird verwirret
11. BWV 35_ Recitativo. Ich wundre mich
12. BWV 35_ Aria. Gott hat alles wohlgemacht
13. BWV 35_ Aria_ Sinfonia
14. BWV 35_ Recitativo. Ach, starker Gott, lass mich
15. BWV 35_ Aria. Ich wünsche mir bei Gott zu leben
16. Fantaisie et Fugue en sol mineur, BWV 542_ Fantaisie
17. BWV 542_ Fugue

Você pode comprar este disco na Amazon

Le Banquet Céleste
Damien Guillon, contra-tenor e direção
Maude Gratton, órgão


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda manter o nosso blog vivo!

2 comentários:

Frazec (vulgo Jean-Philipe Rameau) disse...

Magnifique, Avicenna!
Muito obrigado, Bach é meu... não sei nem como dizer.

Rameau

Anônimo disse...

por fin, algo barroco en tu blog. Gracias! Es un disco excelente!