segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Cesar Franck (1822-1890) - Redemption, Nocturne, I Sommeil e Psyche, Les Eolides (Poeme symphonique)

Este é um disco fabuloso! Um registro que exalta as qualidades latentes de César Franck. A instrumentação é wagneriana. Possui uma sensualidade inquestionável. Aqui temos um Franck com a altura e profundidade que lhe são própria, devida. Costumo olhar para Franck e Camille Saint-Säens como dois dos maiores compositores do século XIX. A história os relega a um plano secundário por estarem geograficamente na periferia da música wagneriana. Todavia, os dois são sensacionais. Não deixe de ouvir. É um excelente disco para quem deseja uma experimentação profunda da música desse compositor franco-belga. Uma boa apreciação!

Cesar Franck (1822-1890) -

01. Redemption
02. Nocturne
03. Andantino quasi allegretto
04. L'istesso tempo - Poco piu animato - Poco meno vivo
05. Molto lento
06. Piu animato - Allegro molto - Poco piu allegro - Quasi presto
07. I Sommeil e Psyche
08. II Psyche enlevee par les Zephyrs. Allegro vivo
09. III Les jardins d'Eros. Poco animato-Un peu plus large
10. IV Psyche et Eras. Allegretto modere
11. Les Eolides (Poeme symphonique)

Orchestre de Paris
L'Orchestre de la Suisse Romande
Daniel Barenboin, regente
Ernest Ansermet, regente

Você pode comprar este disco na Amazon

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

2 comentários:

Marcelo Lasta disse...

Discazo de mi compatriota.Infaltable en cualquier digna discoteca clásica. Felicidades.Gracias.Tapirman

Anônimo disse...

Prezado Carlinus,

Ótima postagem, lembrando e muito bem, de um dos grandes mestres do Romantismo, injustamente meio esquecido, como você, aliás, destaca em seu texto, inclusive por nossas orquestras.
Em meu entender, é também notável e muito rica a obra de Franck para órgão.
O mesmo Baremboim fez, com a Orquestra de Paris,na década de 80, uma excepcional gravação da Sinfonia em Ré (ainda não ouvi melhor), pela Deutsche Grammophon, aqui lançada, em 1985, pela PolyGram. Tenho o vinil. Infelizmente, parece-me que tal gravação não foi ainda editada em CD, pois não a encontrei quando fiz consultas aos catálogos, em lojas especializadas, anos atrás.

Mais uma vez, Carlinus, muito obrigado pelo excepcional blog, do qual me tornei cativo: abro-o todos os dias e vou baixando as belezas que você posta.

Um grande abraço,

Nilton Maia