domingo, 31 de março de 2013

Gustav Mahler (1860-1911) - Sinfonia no. 2 em Dó menor - "Ressurreição"

Postar a Segunda Sinfonia de Mahler no dia de hoje não é fortuito. Segundo a tradição, foi no Domingo de Páscoa, que Jesus ressucitou dos mortos. Sua ressurreição constitui um evento singular na esfera religiosa. Ela protagoniza o marco de esperança a todos aqueles que creem na imortalidade, numa vida possível e certa no porvir. Simbolicamente, a morte foi vencida. Paulo, alguém que formulou a dogmática cristã pós-evangélica, vai dizer que com esse ato, a morte já não possui poder sobre a vida daquele que crê. "Mas, de fato, Cristo ressucitou detre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem" (1 Co 15.20). Mahler era sabedor disso e a crença na Ressurreição se coaduna com o ímpeto filósofico e religioso do compositor. O questionamento "para quê vivemos?" sempre incomodou o grande sinfonista. A ressurreição traz à tona a tônica do sentido da vida. Ela seria a coroação, o prêmio, daqueles que viveram um período de dores e agruras. Mahler escreveu este fascinante trabalho em seis anos (1888-1894). É trabalho forte, denso, que realça o drama da vida. Muito boa essa interpretação dessa orquestra japonesa. Mestre Ozawa consegue cativar. Gravação ao vivo realizada no ano de 2000. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Gustav Mahler (1860-1911) - Sinfonia no. 2 em Dó menor - "Ressurreição"

DISCO 01

01. I. Allegro maestoso (Mit durchaus ernstem und feierlichem Ausdruck)
02. II. Andante moderato (sehr gemächlich. Nie eilen)  

DISCO 02

01. III. In ruhig fliessender Bewegung
02. IV. "Urlicht" Sehr feierlich, aber schlicht
03. V. Im Tempo des Scherzo's (Wild herausfahrend)

Você pode comprar este disco na Amazon
Saito Kinen Orchestra
Sinyukai Choir
Seiji Ozawa, regente
Emiko Suga, Soprano
Nathalie Stutzmann, Contralto


*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

sábado, 30 de março de 2013

Johannes Brahms (1833-1897) - Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a, Nanie Op. 82 e Symphonie No. 4 in E minor Op. 98

É curioso como a profundidade, a densidade e a genialidade das 4 sinfonias de Brahms se mantêm constante da primeira à quarta. Nenhuma das quatro sinfonias é menor que a outra. As quatro possuem dimensões muito particulares, mas, do meu ponto de vista, não existe aquela a qual possamos dizer: "esta é melhor do que esta". Acabei de ouvir a número quatro e me resta a certeza de que é uma das coisas mais belas que já foram escritas. O primeiro movimento é uma provocação. Brahms já nos coloca no meio do torvelinho, de uma grande massa sonora. É como se chegássemos a algum lugar e a grande festa já estivesse acontecendo. E o que dizer do segundo movimento - o Andante moderato? Uma das reflexões mais belas que já foram escritas em toda a história da música. É impossível ouvir algo assim e continuar o mesmo. Acredito nessa dialética. Brahms nos melhora. Certamente, uma das grandes gravações que já ouvi da Quarta com o Abbado. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) - 

Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a
01. Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a

Nanie Op. 82
02. Nanie Op. 82

Symphonie No. 4 in E minor Op. 98
03. I Allegro non troppo
04. II Andante moderato
05. III Allegro giocoso
06. IV Allegro energico e passionato

Você pode comprar este disco na Amazon

Berliner Philharmoniker
Rundfunkehor Berlin
Claudio Abbado, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!
 

Rafael Kubelik conducts Great Symphonies - Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) - Symphonies 40 & 41; Robert Schumann (1810-1856) - Symphonies 1 &2 (CDs 3 e 4 de 7)

Vamos a mais dois discos dessa caixa de boa qualidade, trazendo Kubelik regendo alguns trabalhos sinfônicos de Mozart e Schumann. Gostei, particularmente, da interpretação dos trabalhos de Schumann. As sinfonias de Schumann são exemplos de música ensolarada e delicada.  Penso que a Sinfonia no. 1 ("Primavera") e a Sinfonia no. 3 ("Renana") - que aparecerá no quinto disco desta caixa - sejam os trabalhos sinfônicos mais expressivos do alemão. Kubelik foi um mestre da regência. Muito boa a interpretação dessas sinfonias. Uma boa apreciação!

DISCO 01

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) -

Sinfonie Nr. 40 in g-Moll, KV 550
01. 1 Molto allegro
02. 2 Andante
03. 3 Menuentto_ Allegretto
04. 4 Allegro assai

Sinfonie Nr. 41 in C-Dur, KV 551 "Jupiter"
05. 1 Allego vivace
06. 2 Andante cantabile
07. 3 menuetto_allegreto
08. 4 Molto allegro

DISCO 02

Robert Schumann (1810-1856) - 

Sinfonie Nr. 1 in B-Dur, Op. 38 "Frühlingssinfonie"
01. I Andante un poco maestoso-Allegro molto vivace
02. II Larghetto
03. III Scherzo_ Molto vivace
04. IV Allegro animato e grazioso

Sinfonie Nr. 2 in C-Dur, Op. 61
05. I Sostenuto assai - Allegro man non troppo
06. II Scherzo_  Allegro vivace
07. III Adagio espressivo
08.  IV Allegro molto vivace

Você pode comprar este disco na Amazon

Symphonieorchester des Bayerischen Rundfunks
Rafael Kubelik, regente

BAIXAR AQUICD01
BAIXAR AQUICD02

*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

sexta-feira, 29 de março de 2013

Tomas Luis de Victoria (1548-1611) - Requiem Officium Defunctorum, 1605

Para finalizar a nossa homenagem à Sexta-Feira Santa, trazemos uma obra de grande beleza e de grande tristeza também. A beleza tem, quase sempre, o poder de nos impelir à tristeza. Deve ser, por isso, que o escritor do livro bíblico de Eclesiastes diz que "...com a tristeza se faz melhor o coração". A tristeza possui um fim pedagógico e muitos fogem dela. Poucos são aqueles que olham a sua face sisuda. Quem aprende com a tristeza, enxerga-se tal qual é. Reconhece nela as nossas limitações e o quanto precisamos humanizarmos. O Réquiem de Victoria é uma de suas principais obras. Trata-se de uma obra-prima. Para muitos representam o auge da polifonia renascentista. A música de Victoria exala o forte misticismo espanhol durante o Renascimento. É uma música polida, clara, de profundo frescor espiritual. O seu Réquiem foi escrito em 1603 e estreou em 1605, em homenagem à morte  da Imperatriz Maria. É um dos últimos trabalhos do compositor espanhol. Não deixe de ouvir. Talvez, aqui esteja um dos mais belos réquiens já escritos, ao lado do réquiem de Fauré. Simplesmente genial esse trabalho de Victoria. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Tomas Luis de Victoria (1548-1611) -

01. Matins Of The Dead: Responsory
02. The Second Lesson: Job 10: 1-2
03. The Office Of Lauds - The Canticle Of Zachary: Antiphon
04. Mass For The Dead: Introit
05. Mass For The Dead: Kyrie
06. Mass For The Dead: Gradual
07. Mass For The Dead: Offertory
08. Mass For The Dead: Sanctus
09. Mass For The Dead: Agnus Dei
10. Mass For The Dead: Communion
11. Funeral Motet
12. The Absolution: Responsory

Você pode comprar este disco na Amazon

The Choir Of Westminster Cathedral
David Hill, direção


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - Missa em Si menor, BWV 232

Postei dois compositores que respresentam a música sacra Católica. Não poderia deixar de postar outro nome que foi um mestre em composições religiosas, que foi um mestre em todos os sentidos - Johann Sebastian. Se Palestrina e Victoria representaram a fé da Igreja Católica, Bach representa a fé Protestante, em específico a luterana. Temos aqui um dos seus trabalhos mais importantes; uma das obras mais elegantes e belas que já foram compostas - a belíssima Missa em B menor, BWV 232. E não se trata de qualquer gravação. Temos aqui Tom Koopman, alguém que domina como ninguém o repertório Barroco e possui um intimidade fantástica com a música do alemão. Sendo assim, não deixe de ouvir. Uma devoção toda especial.

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - 

DISCO 01

01. Missa em B-Menor: Kyrie eleison
02. Missa em B-Menor: Christe eleison
03. Missa em B-Menor: Kyrie eleison
04. Missa em B-Menor: Gloria in excelsis
05. Missa em B-Menor: Et in terra pax
06. Missa em B-Menor: Laudamus te
07. Missa em B-Menor: Gratias agimus tibi
08. Missa em B-Menor: Domine Deus
09. Missa em B-Menor: Qui Tollis peccata mundi
10. Missa em B-Menor: Qui sedes ad dexteram Patris
11. Missa em B-Menor: Quoniam tu solus sanctus
12. Missa em B-Menor: Cum Sancto Spiritu

DISCO 02

01. Missa em B-Menor: Credo em unum Deum
02. Missa em B-Menor: Patrem omnipotentem
03. Missa em B-Menor: Et in unum Dominum
04. Missa em B-Menor: Et incarnatus est
05. Missa em B-Menor: Crucifixus
06. Missa em B-Menor: Et Resurrexit
07. Missa em B-Menor: Et in Spiritum Sanctum Dominum
08. Missa em B-Menor: Confiteor
09. Missa em B-Menor: Et exspecto
10. Missa em B-Menor: Sanctus
11. Missa em B-Menor: Hosana
12. Missa em B-Menor: Benedictus
13. Missa em B-Menor: Agnus Dei
14. Missa em B-Menor: Dona nobis pacem

Você pode comprar este disco na Amazon

The Amsterdam Baroque Orchestra & Choir
Ton Koopman, direção


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

Tomás Luis de Victória (1548-1611) - Missa Vidi Speciosam, Ave Maria, Ne timeas etc

Postagem realizada por causa do ensejo do momento. Cristãos do mundo inteiro, no dia de hoje, relembram o momento em que Jesus foi morto pelos romanos, com o assentimento das autoridades judaicas. Resolvi, por causa disso, trazer mais um belo CD de Tomás de Victória, compositor espanhol que viveu entre os séculos XVI e XVII. Victória é um dos nomes mais relevantes do "terreno musical" da Igreja Católica. As características mais exaltadas de suas obras são a devoção e o fervor. A beleza de suas obras nos faz crer que estamos imersos dentro de uma daquelas abadias medievais, fazendo com que o sentimento que brote dessa experiência seja a admiração, a devoção, a serenidade. Lindíssimas essas peças. Esplende muito bem esse lado tão belo da tradição da fé cristã. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Tomás Luis de Victória (1548-1611) - 

01. Ave Maria a 4
02. Ave maris stella
03. Ne timeas, Maria
04. Sancta Maria, succurre miseris
05. Vidi speciosam
06. Missa Vidi speciosam - 1. Kyrie
07. Missa Vidi speciosam - 2. Gloria
08. Missa Vidi speciosam - 3. Credo
09. Missa Vidi speciosam - 4. Sanctus
10. Missa Vidi speciosam - 5. Agnus Dei

Você pode compra este disco na Amazon

The Choir of Westminster Cathedral
David Hill, direção

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!
 

quinta-feira, 28 de março de 2013

Music the Victoria and Palestrina

Simplesmente indescritível este disco. Lindo. De fazer chorar. Traz dois nomes expressivos da música ocidental - pré-Bach, principalmente o nome de Giovanni da Palestrina (1525-1594). O compositor italiano é considerado "o príncipe da música". Assim como Bach está para o protestantismo, Palestrina está para o catolicismo. Ele conseguiu captar com perfeição o espírito de sobridade da Contra-Reforma - a reação Católica à Reforma Protestante. Ele introduziu a polifonia à música do seu tempo, trazendo inovações que seriam transformadoras. A música de Palestrina está adornada pela espiritualidade dos claustros e, talvez, ninguém conseguiu como ele expressar esse lado tão belo da história da fé cristã. A diafanidade e suavidade da sua música faz remontar o cantochão. Tomás Luiz de Victoria (1548-1611), de origem espanhola, é o segundo nome mais importante da escola católica. É possível que Victoria tenha sido aluno de Palestrina. O que caracteriza Victoria é o seu fervor religioso. Ouvi-lo é como está vendo uma pintura de El Greco ou Rafael. Esta postagem é homenagem a este período tão importante para os cristãos - a comemoração da Páscoa, a saber, a morte e ressurreição e de Jesus, como assim acreditam a cristandade. Outras obras com conotação religiosa surgirão. Não deixe de ouvir. Belíssima interpretação do The Hilliard Ensemble. Uma boa apreciação!

01 - Victoria - Officium Defunctorum - Taedet Animam Meam
02 - Graduale Romanum, Toul - Introitus
03 - Graduale Romanum, Toul - Kyrie
04 - Palestrina - Motets Book II for 4 voices - Domine Quando Veneris
05 - Graduale Romanum, Toul - Graduale
06 - Victoria - Officium Defunctorum - Libera Me Domine
07 - Graduale Romanum, Toul - Tractus
08 - Palestrina - Motets Book II for 4 voices - Ad Dominum Cum Tribularer Clamavi
09 - Graduale Romanum, Toul - Sequentia
10 - Graduale Romanum, Toul - Offertorium
11 - Victoria - Officium Defunctorum - Peccantem Me Quotidie
12 - Graduale Romanum, Toul - Sanctus - Benedictus
13 - Palestrina - Motets Book II for 4 voices - Heu Mihi Domine
14 - Graduale Romanum, Toul - Agnus Dei
15 - Toul Graduale Romanum Anonymous - Communio
16 - Palestrina - Libera Me Domine

Você pode comprar este disco na Amazon

The Hilliard Ensemble
David James, contratenor
Rogers Covey-Crump, tenor
John Potter, tenor
Gordon Jones, barítone


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

Antonin Dvorak (1841-1904) - Symphony No. 9 in E minor From The New World, Op. 95, The Water Goblin, Op.107, The Noon Witch, Op.108, The Golden Spinning Wheel, Op.109 e The Wild Dove, Op.110 (CDs 7 e 8 de 8 - final)

Chegamos ao final de mais uma sensacional integral. Dessa vez, os trabalhos sinfônicos e alguns dos poemas sinfônicos do checo Antonin Dvorak. Nestes dois últimso CDs, encontramos a mais popular das obras de Dvorak, a Sinfonia no. 9 (do "Novo Mundo"), trabalho realizado como consequência da profunda influência da cultura americana exercida sobre checo. Segundo o próprio Dvorak, o trabalho se inspira nos temas melódicos dos índios americanos e nos espirituais negros, que Dvorak ouvira em Nova York. É um trabalho muito bonito, de profundo sentir, mas as goladas românticas excessivas, torna-o "enjoativo" em alguns momentos. Penso que os trabalhos sinfônicos mais expressivos de Dvorak, sejam as sinfonias de número 7 e número 8 - a primeira nebulosa e, a seguna, ensolarada, como naquelas manhãs alegres e bonitas. O outro disco traz belos poemas sinfônicos, com forte influência do folclore e nas lendas da terra do compositor. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Antonin Dvorak (1841-1904) - 

DISCO 01

Symphony No. 9 in E minor From The New World, Op. 95 (B 178)
01. 1. Adagio. Allegro molto 
02. 2. Largo
03. 3. Molto vivace
04. 4. Allegro con fuoco

DISCO 02

The Water Goblin, Op.107 (Feb, May. 1977)
01. The Water Goblin, Op.107 (Feb, May. 1977)

The Noon Witch, Op.108 (Feb, May. 1977)
02. The Noon Witch, Op.108 (Feb, May. 1977)

The Golden Spinning Wheel, Op.109 (Aug. 1977)
03. The Golden Spinning Wheel, Op.109 (Aug. 1977)

The Wild Dove, Op.110 (Aug. 1977)
04. The Wild Dove, Op.110 (Aug. 1977)

Você pode comprar este disco na Amazon

Czech Philharmonic Orchestra
Vaclav Neumann, regente
BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

quarta-feira, 27 de março de 2013

Karol Szymanowsky (1882-1937) - Piano Works - vol. 2

Muito bom esse polonês. Essas obras de Szymanowsky demonstram a sua versalidade. Um compositor que ora soa experimental, lidando essencialmente com a tradição do seu povo, ora soa impressionista, levando-nos a experimentar sensações novas, ora radica-se na tardição do bom romantismo. Destacam-se aqui neste belo CD da Naxos, a agitação fremente das Mazurcas. O pianista Martin Roscoe demonstra toda a intimidade com música de Szy. É por essas outras que se torna muito prazeroso postar CDs da Naxos: charme, preço acessível, músicos distantes do mainstream, mas de excelente qualidade. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Karol Szymanowsky (1882-1937) - Piano Works

20 Mazurkas, Op. 50
01. No. 5 Moderato
02. No. 6 Vivace (Junacko)
03. No. 7 Poco vivace (Tempo Oberka)
04. No. 8 Moderato (non troppo)
05. No. 9 Tempo moderato
06. No. 10 Allegramente - Vivace - Con brio
07. No. 11 Allegretto
08. No. 12 Allegro moderato

Variations on a Polish Theme, Op. 10
09. Introduction: Andante doloroso rubato
10. Andantino semplice
11.  No. 1 Meno mosso
12. No. 2 Agitato
13. No. 3 Lento mesto ma poco agitato
14. No. 4 Allegro molto agitato
15.  No. 5 Andantino
16.  No. 6 Andante dolcissimo
17. No. 7 Piu mosso
18. No. 8 Marcia funébre
19. No. 9 Piu mosso (Allegro)
20. No. 10 Finale: Allegro vivo - Maestoso

Maski (Masks), Op. 34
21. No. 1 Shéhérazade
22. No. 2 Tantris le Bouffon
23. No. 3 Sérénade de Don Juan

Fantasia in C major, Op. 14

24. No. 1 Grave
25. No. 2 Non troppo allegro
26. No. 3 Allegro molto

Você pode comprar este disco na Amazon

Martin Roscoe, piano

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

terça-feira, 26 de março de 2013

Johannes Brahms (1833-1897) - Symphony No. 3 in F major op. 90 e Variations on a Theme by Haydn op. 56a

Final de noite. Ouvi há pouco este extraordinário disco com o Claudio Abbado inspiradíssimo, levando-nos pela galáxia da terceira sinfonia de Brahms. Certamente, um dos trabalhos de que mais gosto. Brahms se supera aqui. Acredito que ele consiga alcançar a perfeição com a número 3. É para ouvir ajoelhado, acreditando na existência na força onipotente e onipresente da música. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) -

Symphony No. 3 in F major op. 90
01.  I. Allegro con brio
02. II. Andante
03. III. Poco allegretto
04.  IV. Allegro

Variations on a Theme by Haydn op. 56a
05. Variations on a Theme by Haydn op. 56a

Você pode comprar este disco na Amazon

Staatskapelle Dresden
Claudio Abbado, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

segunda-feira, 25 de março de 2013

Rafael Kubelik conducts Great Symphonies - Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) - Symphonies nos. 35, 36, 37 e 38 (CDs 1 e 2 de 7)

Iniciamos, hoje, mais uma integral. Ouvi essas quatro sinfonias no dia de ontem. Confesso que não me empolguei tanto. Não sei o porquê. Penso que trabalhos mozartianos mais belos não sejam os sinfônicos, embora as sinfonias de número 40 e 41 sejam fantásticas. Eu gosto mesmo é das sonatas, dos quartetos de cordas, dos concertos para violino e dos concertos para piano. De qualquer forma, esta caixa traz grandes trabalhos sinfônicos com esse monstro sagrado da regência, que foi Rafael Kubelik. A caixa ainda traz os trabalhos sinfônicos de Schumann e duas sinfonias de Bruckner. Uma boa apreciação!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) -

DISCO 01

Sinfonie Nr. 35 in D-Dur, KV 385, "Haffner"
01.  1 Allegro con spirito
02.  2 Andante
03. 3 Menuetto_ Trio
04. 4 Finale_ Presto

Sinfonie Nr. 36 in C-Dur, KV 425, "Linzer"
05. 1 Adagio_ Allegro spiritoso
06. 2 Andante
07. 3 Menuetto_ Trio
08. 4 Finale_ Presto

DISCO 02


Sinfonie Nr. 38 in D-Dur, KV 504 "Prager Sinfonie"
01. Adagio; Allegro
02. Andante
03. Finale_ Presto


Sinfonie Nr. 39 in Es-Dur, KV 543
04. Adagio; Allegro
05. Andante con moto
06. Menuetto_ Allegretto; Trio
07. Finale_ Allegro

Você pode comprar este disco na Amazon

Symphonieorchester des Bayerischen Rundfunks
Rafael Kubelik, regente

BAIXAR AQUICD01
BAIXAR AQUICD02

*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

domingo, 24 de março de 2013

Aton Bruckner (1824-1896) - Symphony No. 00 in F minor 'Study Symphony' e''Volkfest'' Finale to Symphony No. 4

Se Bruckner tivesse escrito apenas as suas três primeiras sinfonias, hoje, ele seria conhecido como um compositor secundário - desses tantos que existem como nota de rodapé nos alfarrábios da história. Não é exagero. É uma constatação. Quando analisamos os primeiros trabalhamos do austríaco, percebemos o quanto estes estão longe daquilo que ele passou a escrever a partir de sua Quarta Sinfonia. Neste CD Naxos, temos a Sinfonia 00. Escutei-a esta manhã e essa impressão se adensou ainda mais. O CD da Naxos ainda ajudou a fortalecer a minha intuição, pois nele veio um dos movimentos da Quarta Sinfonia. Sendo assim, escute a Sinfonia 00 e, em seguida, escute o "Volkesfest - Finale" da Quarta e perceba a diferença sonora. Isso apenas atesta aquela tese: "A perfeição se conquista com muito trabalho". Uma boa apreciação!

Aton Bruckner (1824-1896) - Symphony No. 00 in F minor 'Study Symphony' e''Volkfest'' Finale to Symphony No. 4

Symphony No. 00 in F minor 'Study Symphony'
01. Allegro molto vi
02. Andante molto
03. Scherzo_ Schnell
04. Finale_ Allegro

''Volkfest'' Finale to Symphony No. 4
05. Allegro moderato

Você pode comprar este disco na Amazon

Royal Scottish National Orchestra
Georg Tintner, regente

*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

sábado, 23 de março de 2013

Ludwig van Beethoven (1770-1827) - Sinfonias Nos. 6, 8, 7 e 9 e Die Weihe des Hauses (Consecration of the House), overture for orchestra, Op. 124 (CDs 4, 5 e 6 - final)

Vamos aos três últimos CDs dessa integral das sinfonias de Beethoven. Dizer que gostei da interpretação do maestro holandês é pouco. Achei o Beethoven dele mais leve, mais fluídico. Um Beethoven que fala de coisas fundas com um gesto iluminado. É fantástico como os trabalhos estão cheios de vida, exalando idealismo como - acredito - Beethoven escreveu. Gostei principalmente da interpretação da Pastoral, a número 6. Ela ficou mais bucólica ainda. A número 7 também ficou excelente. Não deixe de ouvir. Jos Van Immerseel me impressionou. Ele buscou recriar o som de forma original do modo como Beethoven criou os trabalhos. Uma boa apreciação!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) -

DISCO 01

Symphony No. 6 in F major ("Pastoral"), Op. 68
01. Allegro ma non troppo - Erwachen heiterer Empfindungen bei der Ankunft auf dem Lande
02. Andante molto moto - Szene am Bach
03. Allegro - Lustiges Zusammensein der Landleute
04. Allegro - Gewitter, Sturm
05. Allegretto - Hirtengesang. Frohe and dankbare gefühle nach dem Sturm

Symphony No. 8 in F major, Op. 93

06. Allegro vivace e con brio
07. Allegretto Scherzando
08. Tempo di Minuetto
09. Allegro vivace 

DISCO 02

Symphony No. 7 in A major, Op. 92

01. Poco sostenuto - Vivace
02. Allegretto
03. Presto
04. Allegro con brio

Die Weihe des Hauses (Consecration of the House), overture for orchestra, Op. 124
05. Die Weihe des Hauses (Consecration of the House), overture for orchestra, Op. 124

DISCO 03


Symphony No. 9 in D minor ("Choral"), Op. 125

01. Allegro ma non troppo, un poco maestoso
02. Molto Vivace
03. Adagio molto e cantabile
04. Presto - Allegro assai
05. Presto - Rezitativo
06. Allegro assai vivace alla marcia
07. Allegro ma non tanto    

Você pode comprar este disco na Amazon

Anima Eterna
Jos van Immerseel, regente
Anna-Kristiina Kaappola, soprano
Marienne Beate Kielland, alto
Markus Schafer, tenor

*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!

sexta-feira, 22 de março de 2013

Dmitri Shostakovich (1906-1975) - Sinfonia No. 11 em G manor, Op. 103 - "O Ano de 1905"

Noite de sexta-feira. Estou em casa. Resolvi fazer esta postagem de encerramento das atividades. Escuto Shostakovich enquanto leio O Grande Gatsby, de Scott Fitsgerald. A obra de Shosta não tem muito a ver com o romance do americano, mas fica-me um sabor agradável. Vale dizer ainda que não se trata de qualquer Shostakovich. É a Sinfonia nº 11, o trabalho do russo de que mais gosto. Trata-se do trabalho responsável, talvez, pela existência deste espaço; responsável pela paixão, pelo necessidade da música erudita existente em mim. Outro importante fator é a presença de Mravinsky, aquele que para mim foi um dos maiores regentes do século XX. Alguém que possuía um talento extraordinário para transformar em competência tudo aquilo em que punha as mãos. Aqui, temos uma Sinfonia no. 11 perfeita, exata, tensa, habitada por humores do conflito. Toda a tensão da obra ganha em adensamento com Mravinsky. Ou seja, uma das postagens mais queridas realizadas por mim nos últimos tempos. Ouvir é uma obrigação. Boa apreciação! Continuemos com o Gatsby. 

P.S. A capa do disco é belíssima e simbolicamente fantástica! Expressa bem o espírito da música. 

Dmitri Shostakovich (1906-1975) -  

Sinfonia No. 11 em G manor, Op. 103 - "O Ano de 1905"
01. The Palace Square
02. The Ninth of January
03. In Memoriam
04. The Tocsin

Você pode comprar este disco na Amazon

Leningrad Philharmonic Orchestra
Evgeny Mravinsky, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

quinta-feira, 21 de março de 2013

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - Sonatas & Partitas (BWV 1001 - 1006)

O armênio Sergey Khachatryan ainda é bastante novo, mas toca  violino como ninguém. Possui uma técnica apurada e clara. Ele sabe ser exato, sem ser superficial. Consegue ser profundo, sem correr o risco de estragar aquilo que interpreta. Nos seus 27 anos de idade, fez coisas espantosas. Por exemplo, Khachatryan gravou este disco há três anos atrás. Para mim, a gravação é primorosa. Resolvi postá-la por hoje ser uma data especial. Há 328 anos, nascia na Alemanha, aquele que é considerado por muitos (e com razão) como um dos maiores gênios da humanidade. Há uma discussão pouco relevante com relação a data. Deve ser considerado o calendário gregoriano ou juliano para interpretar o evento? O fato é que se considerarmos o calendário juliano, Bach teria nascido em 31 de março, já que existe uma diferença de dez dias de um calendário para outro. A convenção feita pelo papa Gregório XIII acabou sendo adotada em todo mundo. É o que temos hoje. Não é preciso dizer que a Alemanha luterana de Bach não adotou de imediato o calendário do papa. Isso ocorreu somente em 1700. Bach nascera em 1685. De qualquer forma, tendo nascido dia 21 ou 31 de março, o importante é que Bach nasceu. Deus disse: "Que haja luz!" E fez-se Bach! Deus continuou: "Que haja as estrelas!" E novamente fez-se Bach. Fico pensando se Bach não tivesse existido. O universo da arte não seria o mesmo. Fico lendo a discussão dos filósofos em torno da existência da metafísica e penso orgulhoso: "Eles se esquecem de Bach!" A metafísica existe, por que Bach existiu. Deus existe, porque Bach existiu. O contrário é duvidoso. Mas, se Deus não existe, Bach fê-lo existir. Ele é a mente Deus fecundando arte, fazendo-a nascer no mundo dos homens. Sem Bach, a possibilidade de trascendência do ser humano seria diminuída. Todo ser humano distigue-se na natureza por essa capacidade. A evasão do ser só é possível no homem. Ele consegue projetar a consciência do ser na direção do infinito. Todos os homens têm essa capacidade, mas trascender a si mesmo ouvindo Bach é uma experiência sui generis, daquelas singularizadas pela própria natureza. Vai para você, frequentador desse humilde espaço, essas Partitas e Sonatas do grande mestre. Gravação primorosa. Som cristalino. Timbres certeiros, capazes de nos espirilar em nos lançar em direção à galáxia mais próxima. Boa apreciação!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - 

DISCO 01

01. Sonata_N.1_Adagio
02. Sonata_N.1_Fuga
03. Sonata_N.1_Siciliana
04. Sonata_N.1_Presto
05. Partita_N.1_Double
06. Partita_N.1_Allemande
07. Partita_N.1_Corrente
08. Partita_N.1_Double
09. Partita_N.1_Sarabande
10. Partita_N.1_Double
11. Partita_N.1_Bouree
12. Partita_N.1_Double
13. Sonata_N.2_Grave
14. Sonata_N.2_Fuga
15. Sonata_N.2_Andante
16. Sonata_N.2_Allegro

DISCO 02

01. Partita_N.2_Allemande
02. Partita_N.2_Corrente
03. Partita_N.2_Sarabande
04. Partita_N.2_Giga
05. Sonata_N.3_Adagio
06. Partita_N.2_Ciaccona
07. Sonata_N.3_Fuga
08. Sonata_N.3_Largo
09. Sonata_N.3_Allegro_assai
10. Partita_N.3_Preludio
11. Partita_N.3_Gavotte_en_rondeau
12. Partita_N.3_Loure
13. Partita_N.3_Menuet_I
14. Partita_N.3_Menuet_II
15. Partita_N.3_Bourree
16. Partita_N.3_Gigue

Você pode comprar este disco na Amazon

Sergey Khachatryan, violino


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!
 

Antonin Dvorak (1841-1904) - Sinfonias Nºs 6, 7 e 8, In Nature´s Realm, Carnival from a Cycle of Concert Overture Nature e Othello (CDs 5 e 6 de 8)

Penso que seja a partir da Sétima Sinfonia que os grandes trabalhos sinfônicos de Dvorak comecem a ganhar corpo. As sinfonias anteriores - principalemente a número 3 ou a número 5 - são agradáveis. Inscrevem-se dentro da tradição da sinfonia romântico-clássica, mas o salto qualitativo se deu com a número 7. Ela é bela. Leve. O início dela é uma verdadeira brisa. Possui uma fluência elegante, mas não dispensa os momentos de tensão sublime. Ou seja, empolga. A número 7, entre as três últimas compostas por ele (7, 8 e 9), é a de que mais gosto. Percebemos uma mudança no espírito da sinfonia da 7 para a 8. Enquanto a Sinfonia no. 7 é tempestuosamente romântica, a número 8 é mais ensolarada e brincalhona. A Oitava foi composta em um período curto - cerca de dois meses e meio. Não deixe de ouvir mais estes dois CDs do checo. Uma boa apreciação!

Antonin Dvorak (1841-1904) -

DISCO 01

Symphony No. 6 in D major, Op. 60 (B 112)
01. 1. Allegro non tanto
02. 2. Adagio
03.  3. Scherzo (Furiant). Presto
04. 4. Finale. Allegro con spirito

Symphony No. 7 in D minor, Op. 70 (B 141)
05. 1. Allegro maestoso
06. 2. Poco adagio
07. 3. Scherzo. Vivace
08. 4. Finale. Allegro

DISCO 02

Symphony No. 8 in G major, Op. 88 (B 163)
01. 1. Allegro con brio
02. 2. Adagio
03. 3. Allegretto grazioso
04. 4. Allegro ma non troppo

In Nature´s Realm. Overture from a Cycle Nature, Life and Love, Op. 91 (B 168)
05. In Nature´s Realm. Overture from a Cycle Nature, Life and Love, Op. 91 (B 168)

Carnival from a Cycle of Concert Overture Nature, Life and Love, Op. 92 (B 169)
06. Carnival from a Cycle of Concert Overture Nature, Life and Love, Op. 92 (B 169)

Othello. Overture from a Cycle Nature, Life and Love, Op. 93 (B 174)
07. Othello. Overture from a Cycle Nature, Life and Love, Op. 93 (B 174)

Você pode comprar este disco na Amazon

Czech Philharmonic Orchestra
Vaclav Neumann, regente

BAIXAR AQUICD01
BAIXAR AQUICD02

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

quarta-feira, 20 de março de 2013

John Cage (1912-1992) - The Seasons

Teve início, hoje, a estação que mais gosto - o Outono. O Outono é estação das reflexões, do prenúncio da morte, dos ventos gelados. A natureza entende isso: é o momento em que as árvoers se despojam. As folhas caducam. Os dias ficam melancólicos. Recolhemo-nos mais intensamente. Fiquei pensando qual compositor postaria para homenagear a chegada dessa estação. Pensei na já batida As quatro estações, de Vivaldi, mas desisti; segui pensando e cogitei Piazzola, Glazunov, Tchaikovsky; pensei ainda em As estações, de Haydn; e até Beethoven e sua Pastoral andou comigo hoje. Todavia, decidi-me por um daqueles contemporâneos carrancudos - John Cage. O americano foi um dos pioneiros daquilo que ficou conhecido movimento da música aleatória no qual os elementos de composição são deixados ao acaso, redundando numa linguagem pouco convencional. O resultado é uma música experimental, de textura complexa e esteticamente desafiadora. De alguma forma, não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

John Cage (1912-1992) -

Seventy-Four (Version I)
01. Seventy-Four (Version I)

The Seasons- Prelude
02. I, Winter
03. II, Spring
04. III, Summer
05. IV, Fall

Concerto for Prepared Piano and Orchestra
06.  First Part
07. Second Part
08. Third Part

Seventy-Four (Version II)
09. Seventy-Four (Version II)

Suite For Toy Piano
10.  I
11. II
12. III
13. IV
14. V

Suite For Toy Piano (Orchestration- Lou Harrison)
15. I
16. II
17. III
18. IV
19. V

Você pode comprar este disco na Amazon

American Composers Orchestra
Dennis Russell Davies, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda manter o nossos blog vivo!


terça-feira, 19 de março de 2013

Johannes Brahms (1833-1897) - Akademische Festouvertüre op. 80, Rhapsodie op.53 für Alt, Männerchor und Orchester e Symphonie Nr. 2 in D-Dur op. 73

É espantoso que até os 43 anos de idade Brahms não tenha escrito nenhuma sinfonia. O compositor era por demais reverente ao evento Beethoven. O alemão entendia que Beethoven chegara ao ápice da forma sinfônica. Que ele havia conseguido atingir uma perfeição tal que ficava difícil escrever qualquer coisa digna. Passou muito tempo escrevendo a Primeira Sinfonia com se estivesse burilando a sua matéria espiritual. Já a Segunda Sinfonia saiu de forma mais rápida - 1877. E teve um sucesso mais proeminente do que a Primeira - apesar de a Primeira ser aquele turbilhão que todos nós conhecemos. De qualqur forma, dando seguimento à postagem dos quatro trabalhos sinfônicos de Brahms com Abbado, soltamos a maravilhosa número 2. Complexo é dizer qual das quatro sinfonias do compositor é a melhor. Abbado nos dá, mais uma vez, um maravilhoso registro - equilíbrio, força, densidade, profusão de sentimentos... tudo com cor, altura e profundidade certos. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) -

Akademische Festouvertüre op. 80
01. Allegro - L´istesso tempo, un poco maestoso - Animato - Maestoso 

Rhapsodie op.53 für Alt, Männerchor und Orchester (Fragment aus Goethes "Harzreise im Winter")   
02. Rhapsodie op.53 für Alt, Männerchor und Orchester (Fragment aus Goethes "Harzreise im Winter")


Symphonie Nr. 2 in D-Dur op. 73
03. 1. Allegro non troppo 
04. 2. Adagio non troppo - L'istesso tempo, ma grazioso 
05. 3. Allegretto grazioso (Quasi Andantino) - Presto ma non assai - Tempo I 
06. 4. Allegro con Spirito

Você pode comprar este disco na Amazon

Berliner Philharmoniker
Claudio Abbado, regente
Marjana Lipovsek, contralto

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda manter o nossos blog vivo!
 

segunda-feira, 18 de março de 2013

Claude Debussy (1862-1918) - String quartet in G Minor, Op. 10 e Maurice Ravel (1875-1937) - String quartet in F (1903)

Acho simplesmente geniais estes dois quartetos - um de Debussy e o outro de Ravel. Eles estão dentro de minhas preferências quando o que está em jogo é música de câmara. Mais que arrojo, existe uma estética luminosa, repleto de paisagens impressionistas. Estou com preguiça de olhar agora, mas penso que há algum tempo atrás postei estes mesmos quartetos com o Tokyo String Quartets, também, assim como esta do Alban Berg Quartets, de alto nível. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

P.S. Não achei o disco na Amazon. Acabei colocando outro.

Claude Debussy (1862-1918)
 
String quartet in G Minor, Op. 10
01. I - Anime et tres decide         
02. II - Assez vif et bien rythme   
03. III - Andantino - doucement expressif    
04. IV - Tres modere - tres anime  

Maurice Ravel (1875-1937) - 

String quartet in F (1903)
05.  I - Moderato tres doux    
06. II - Assez vif - Tres rythme   
07. III - Tres lent    
08. IV - Vif et agite    

Você pode comprar este disco na Amazon

Alban Berg Quartett       
Gunter Pichler, 1st violin
Gerhard Schulz, 2nd violin
Thomas Kakuska, viola


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

domingo, 17 de março de 2013

Concertos para fagote - Villa-Lobos, Hindemith, Jolivet, Gubaidulina

Disquinho bem singular. Traz uma turma bem dileta da música contemporânea - Villa-Lobos, Hindemith, Jolivet e Gubaidulina. Dos quatro compositores, apenas Gubaidulina está viva. O que há em comum neste CD é que todas as obras são para fagote. A mais expressiva, ao meu modo de ver, é a composição de Sofia Gubaidulina. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Villa-Lobos (1887-1959) -

Ciranda das sete notas
01.Ciranda das sete notas    

Paul Hindemith (1895-1963) - 

Concerto for Trumpet, Bassoon and String Orchestra
02. I. Allegro spiritoso   
03. II. Molto Adagio-Allegro pesante 
04. III. Vivace    

Andre Jolivet (1905-1974) - 

Concerto pour Basson, Orchestre à Chordes, Harpe et Piano
05. Ia. Recitativo    
06. Ib. Allegro giovale
07. IIa. Largo cantabile 
08. IIb. Fugato 

Sofia Gubaidulina (1931-)

Concerto for Bassoon and Low Strings
09.  I    
10.  II   
11. III    
12. IV    
13. V    

Você pode comprar este disco na Amazon

Kammerakademie Potsdam
Sergio Azzolini, bassoon
Matthias Höfs, trumpet
Maurice Bourgue, conductor

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

Johann Sebastian (1685-1750) - Cantatas 51, 202 & 209

Disco que demonstra a genialidade de Johann Sebastian Bach, congnominado por mim carinhosamente de "o grande pai". Temos a reunião de três belas cantatas - BWV 51, 202 e 209. As árias desse disco são de uma singeleza incrível e revelam a singularidade de Bach. Certamente com estas obras temos um dos momentos mais belos e sublimes da história da música. Bach nos coloca diante do eterno. Diante daquelas coisas intangíveis. É curioso notar o quanto Bach captar esses sinais. Essa linguagem que é tão peculiarmente humana. Ou seja, esse desejo que nos faz imaginar o invísvel, as coisas que estão além dessa vida. O compositor alemão era um grande religioso e, talvez, isso facilitasse a imaginação desse espectro. O disco é muito bom e traz a bela voz da soprano Agnes Giebel, uma das mais importantes sopranos do século passado. Ela trabalhou com os principais regentes de sua geração - Sawallish, Celibidache, Joschum, Karl Rchter, entre outros. Não deixe de ouvir este extraordinário disco. Uma boa apreciação!

Johann Sebastian (1685-1750) -

01 - BWV 51a Jauchzet Gott in allen Landen (Aria)
02 - BWV 51b Wir beten zu dem Tempel (Rec.)
03 - BWV 51c Hoechster, mache deine Guete (Aria)
04 - BWV 51d Sei Lob und Preis mit Ehren (Aria)
05 - BWV 51e Alleluja (Aria)
06 - BWV 202a Weichet nur, betruebte Schatten (Aria)
07 - BWV 202b Die Welt wird wieder neu (Rec.)
08 - BWV 202c Phoebus eilt mit schnellen Pferden (Aria)
09 - BWV 202d Drum sucht auch Amor sein Vergnuegen (Rec.)
10 - BWV 202e Wenn die Fruehlingsluefte streichen (Aria)
11 - BWV 202f Und dieses ist das Gluecke (Rec,)
12 - BWV 202g Sich ueben in Lieben (Aria)
13 - BWV 202h So sei das Band der keuschen Liebe (Rec.)
14 - BWV 202i Sehet in Zufriedenheit (Gavotte)
15 - BWV 209a Sinfonia
16 - BWV 209b Non sa che sia dolore (Rec.)
17 - BWV 209c Partipur e con dolore (Aria)
18 - BWV 209d Tuo saver (Rec.)
19 - BWV 209e Ricetti gramezza e pavento (Aria)

Você pode comprar este disco na Amazon

Agnes Giebel, soprano
Maurice André, trumpet
Anner Bylsma, cello
Gustav Leonhardt, cravo

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

sábado, 16 de março de 2013

Johannes Brahms (1833-1897) - Symphony No.1 in C minor, Op.68 e Gesang der Parzen (Chan des Parques) Op 89

Fantástica interpretação desse monumento sinfônico que é a Sinfonia no. 1 de Johannes Brahms. Assim, como existem eventos que fazem parte do gênio humano - a Capela Sixtina, as pinturas de Da Vinci, a Paixão Segundo São Mateus, de Bach, que são marcas indeléveis da capacidade humana, penso que esse trabalho de Brahms se inscreva nessa categoria. É a descrição dos mistérios psicológicos do engenho humano. Brahms foi um homem de poucos trabalhos sinfônicos - apenas quatro. Compôs esses trabalhos com intervalos enormes. Mas cada uma das quatro sinfonias externam turbilhões de beleza e drama filosófico. Muita boa interpretação de Claudio Abbado. Decidi soltar os quatro trabalhos sinfônicos do alemão sob a condução desse regente. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) -

Symphony No.1 in C minor, Op.68
01. 1. Un poco sostenuto - Allegro - Meno allegro
02. 2. Andante sostenuto
03. 3. Un poco allegretto e grazioso
04. 4. Adagio - Piu andante - Allegro non troppo, ma con brio - Piu allegro
Gesang der Parzen (Chan des Parques) Op 89
05. Maestoso

Você pode comprar este disco na Amazon

Berliner Philharmoniker
Claudio Abbado, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela juda a manter o nosso blog vivo!

Francis Poulenc (1900-1963) - Piano Works and Chamber Music (CDs 3, 4 e 5 de 5 - final)

Vamos aos três últimos discos desta caixa formidável sob a interpretação de Pascal Regé. Vale ressaltar que a execução da obras pianísticas aqui encontradas são de primeira linha. Outro aspecto interessante fica por conta das variações humorísticas da obra de Poulenc. É curiosa como ele alterna as harmonias, passando de momentos de intenso lirismo, para mundos descontraídos, leves. Ás vezes, parece que a música nem está tocando. Embora anunciemos que se tratam de obras pianísticas, encontramos algumas obras camerísticas do francês. Com certeza, uma garantia de um ótimo trabalho. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Francis Poulenc (1900-1963) - 

DISCO 01

Mélancolie, FP105
01. Mélancolie, FP105

Trois Pastorales, FP5
02. 1. Très vite    
03. 2. Très lent    
04. 3. Vite
       
Hommage à J.S.Bach, FP62 
05. 3. Valse-improvisation sur le nom de Bach
         
Cinq Impromptus, FP21 - Revised 1939 Edition
06  1. Très agité    
07. 2. Allegro vivace        
08. 3. Très modéré        
09. 4. Violent        
10. 5. Andante
        
Badinage, FP73
11. Badinage, FP73
         
Napoli, FP40
12  1. Barcarolle (Assez animé)
13. 2. Nocturne (Lent)    
14. 3. Caprice italien (Presto)
        
Promenades, FP24
15. 1. A pied (Nonchalant)    
16. 2. En auto (Très agité)        
17. 3. A cheval (Modéré)    
18. P4. En bateau (Agité)    
19. 5. En avion (Lent)         
20. 6. En autobus (Trépidant)        
21. 7. En voiture (Lent)        
22. 8. En chemin de fer (Vif)    
23. 9. A bicyclette (Vite)    
24. 10. En diligence (Lent)
    
Hommage à Albert Roussel, FP50  
25. or solo piano - Pièce brève sur le nom d'Albert Roussel

A l'exposition     
26. . Bourrée, au Pavilion d'Auvergne

Feuillets d'album, FP68
27. 1. Ariette (Décidé)         
28. 2. Rêve (Allegretto)        
29. 3. Gigue (Prestissimo)
        
Française d'après Claude Gervaise (16e siècle)
30. Française d'après Claude Gervaise (16e siècle)
        
Suite française for small orchestra - Arr. for keyboard as "Suite française d'après Claude Gervaise"
31. 1. Bransle de Bourgogne (Gai, mais sans hâte)        
32. 2. Pavane (Grave et mélancolique)     
33. 3. Petit marche militaire (Mouvement de pas redoublé)     
34. 4. Complainte (Calme et mélancolique)         
35. 5. Bransle de Champagne (Modéré, mais sans lenteur)     
36. 6. Sicilienne (Très doucement)    
37. 7. Carillon (Très animé)

DISCO 02


Capriccio (d'après le Bal Masqué) for 2 Pianos
01. Capriccio (d'après le Bal Masqué) for 2 Pianos

Sonate pour deux pianos
02. 1. Prologue        
03. 2. Allegro molto    
04. 3. Andante lyrico    
05. 4. Epilogue
         
Elégie (en accords alternés) for 2 Pianos         
06. Elégie (en accords alternés) for 2 Pianos

Sonata for Piano 4 Hands
07. 1. Prélude (Modéré)        
08. 2. Rustique (Naïf et lent)         
09. 3. Final (Très vite)
        
L'embarquement pour Cythère, valse-musette for 2 Pianos
10. L'embarquement pour Cythère, valse-musette for 2 Pianos
        
Sonate pour violon et piano
11. 1. Allegro con fuoco     Chantal Juillet        
12. 2. Intermezzo (Très lent et calme)     Chantal Juillet         
13. 3. Presto tragico

DISCO 03

Sextuor for piano, flute, oboe, clarinet, bassoon & horn
01. 1. Allegro vivace    
02. 2. Divertissement    
03. 3. Finale
    
Sonata for Clarinet and Piano
04. 1. Allegro tristement    
05. 2. Romanza     Pascal Rogé    
06. 3. Allegro con fuoco
    
Sonata for Flute and Piano
07. 1. Allegro malincolico    
08. 2. Cantilena    
09. 3. Presto giocoso
      
Sonata for Oboe and Piano
10. 1. Elégie    
11. 2. Scherzo    
12. 3. Déploration
    
Trio for Oboe, Bassoon and Piano
13. 1. Presto
14. 2. Andante
15. 3. Rondo

Você pode comprar este disco na Amazon

Pascal Regé, piano (demais informações vide scans)

BAIXAR AQUICD01
BAIXAR AQUICD02
BAIXAR AQUICD03

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!

sexta-feira, 15 de março de 2013

Wolfgan Amadeus Mozart (1756-1991) - Missa C-dur KV 317 'Kronungsmesse', Vesperae solennes de confessore KV 339 e Litaniae Laurentanae KV 109

Para uma sexta-feira à noite, enquanto estou atualizando algumas informações e serenando da refrega da semana, decidi postar um CD de muita relevância espiritual. Traz três belas e enlevantes obras de Mozart, esse gênio construtor de catedrais sublimes. Temos aqui o KV 317, KV 339 e KV 109. Adoro estas obras. Acredito que elas façam parte desse momento de minha existência, que anda tão imerso em necessidades sacralizantes. Tudo isso faz um bem enorme para a nossa interioridade. Não uma espiritualidade dogmática, baseada em "chavões" gastos e bolorentos, mas algo belo, suave, crivado de uma tristeza solene e uma apoteose estética. Peças como estas de Mozart são importantes para nos humanizar. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) - 

Missa C-dur KV 317 'Kronungsmesse'
01.  I. Kyrie
02. II. Gloria
03. III. Credo
04. IV. Sanctus
05. V. Benedictus
06. VI. Agnus Dei

Vesperae solennes de confessore KV 339
07. I. Dixit
08. II. Confitebor
09. III. Beatus vir
10. IV. Laudate pueri
11. V. Laudate Dominum
12. VI. Magnificat

Litaniae Laurentanae KV 109
13. Litaniae Laurentanae KV 109

Você pode comprar este disco na Amazon

Collegium Aureum
Tölzer Knabenchor, regente
Rolf Reinhardt, regente (KV 109)


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

quinta-feira, 14 de março de 2013

Antonin Dvorak (1841-1904) - Symphony No. 3 in E flat major, Op. 10 (B 34), Symphony No. 4 in D minor, Op. 13 (B 41) e Symphony No. 5 in F major, Op. 76 (B 54) e Symphonic Variations for Large Orchestra, Op. 78 (B 70) (CDs 3 e 4 de 8)

Vamos a mais três trabalhos sinfônicos do checo Anton Dvorak. Dvorak foi um compositor tardio, assim como o foram Rachmaninov, Tchaikovsky ou Sibelius. Todavia, existe uma particularidade em seus trabalhos. Apesar de não serem tocantes e fortes como Tchaikovsky; ou etéreos como Rachmaninov, Dvorak consegue dialogar com a tradição de sua terra, construindo belos quadros orquestrais. Um exemplo disso são os seus belos poemas sinfônicos - que estã opresnetes nessa caixa. Já no que diz respeito aos seus trabalhos sinfônicos, como disse no post anterior, penso que ele se iniciem com a Sétima Sinfonia. Aqui temos mais três sinfonias. Todas belas. Todas agradáveis. Apenas isso. Uma boa apreciação!

Antonin Dvorak (1841-1904) -

DISCO 01

Symphony No. 3 in E flat major, Op. 10 (B 34)
01. 1. Allegro moderato
02. 2. Adagio molto, tempo di marcia
03. 3. Finale. Allegro vivace

Symphony No. 4 in D minor, Op. 13 (B 41)
04. 1. Allegro
05. 2. Andante sostenuto e molto cantabile
06. 3. Scherzo. Allegro feroce
07. 4. Finale. Allegro con brio

DISCO 02

Symphony No. 5 in F major, Op. 76 (B 54)
01. 1. Allegro ma non troppo
02. 2. Andante con moto (attacca)
03. 3. Andante con moto, quasi l'istesso Tempo - Allegro scherzando
04. 4. Allegro molto

Symphonic Variations for Large Orchestra, Op. 78 (B 70)
05. Symphonic Variations for Large Orchestra, Op. 78 (B 70)

Você pode comprar este disco na Amazon

Czech Philharmonic Orchestra
Vaclav Neumann, regente
 
BAIXAR AQUICD01
BAIXAR AQUICD02

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

quarta-feira, 13 de março de 2013

Benjamin Britten (1913-1976) - Suite n. 1, Op. 72, Suite n. 2, Op. 80 e Suite n. 3, Op. 87

As Suites para cello de Benjamin Britten são obras muito belas e complexas. Britten parece seguir aqui a tradição bachiana. O compositor as escreveu em homenagem ao russo Mtslav Rostropovich, um dos maiores celistas da história, de quem era grande amigo. As suites são três. A primeira começou a ser escrita em 1964; a segunda foi escrita em 1967; e a terceira foi escrita em 1971. Escute a suite no. 1 (o primeiro movimento) e perceba os ecos das suites de Bach. Não deixe de ouvir este belo disco do selo Naxos. Um verdadeiro primor. Uma boa apreciação!

Benjamin Britten (1913-1976) -

Suite n. 1, Op. 72
01. Canto primo: Sostenuto e largamente   
02. I. Fuga: Andante moderato    
03. II. Lamento: Lento rubato    
04. Canto secondo: sostenuto   
05. III. Serenata: Allegretto (pizzicato)    
06. IV. Marcia: Alla marcia moderato   
07. Canto terzo: Sostenuto    
08. V. Bordone: Moderato quasi recitativo  
09. Moto perpetuo e Canto quarto: Presto    

Suite n. 2, Op. 80
10. Declamato: Largo    
11. Fuga: Andante    
12. Scherzo: Allegro molto    
13. Andante lento    
14. Ciaccona: Allegro    

Suite n. 3, Op. 87
15.  Introduzione: Lento  
16. Marcia: Allegro    
17. Canto: Con moto   
18. Barcarolla: Lento    
19. Dialogo: Allegretto   
20. Fuga: Andante espressivo   
21. Recitativo: Fantastico   
22. Moto Perpetuo: Presto 
23. Passacaglia: Lento solenne    

Você pode comprar este disco na Amazon

Tim Hugh, cello


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela juda a manter o nosso blog vivo!

segunda-feira, 11 de março de 2013

Anton Bruckner (1824-1896) - Symphony No. 4 in E-flat major - "Romântica" e Jean Sibelius (1865-1957) - Naechtlicher Ritt und Sonnenaufgang op. 55

Uma postagem saideira de final de noite. Não faz mal que postemos Bruckner - e o que dizer de sua Quarta Sinfonia? Aqui temos a Romântica de Bruckner bem tratada por Eugen Jochum. É perceptível uma velocidade mais intensa nos movimentos, principalmente no primeiro movimento. Mas de qualquer forma, a qualidade da abordagem de Jochum é fantástica. Prefiro um Bruckner mais "encorpado", mais pachorrento, como na regência de Celibidache. Ainda não conhecia o Sibelius presente no disco. Gostei. Uma boa apreciação!

Anton Bruckner (1824-1896) - 

Symphony No. 4 in E-flat major - "Romântica"

01 - I - Bewegt, nicht zu schnell
02 - II - Andante quasi Allegretto
03 - III - Scherzo. Bewegt - Trio. Nicht zu schnell. Keinesfalls schleppend
04 - IV - Finale. Bewegt, doch nicht zu schnell

Berliner Philharmoniker
Eugen Jochum, regência

Jean Sibelius (1865-1957) - 

Naechtlicher Ritt und Sonnenaufgang op. 55
05.  Naechtlicher Ritt und Sonnenaufgang op. 55

Você pode comprar este disco na Amazon

Bavarian Radio Symphony Orchestra
Eugen Jochum, regência

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela juda a manter o nosso blog vivo!