quinta-feira, 21 de março de 2013

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - Sonatas & Partitas (BWV 1001 - 1006)

O armênio Sergey Khachatryan ainda é bastante novo, mas toca  violino como ninguém. Possui uma técnica apurada e clara. Ele sabe ser exato, sem ser superficial. Consegue ser profundo, sem correr o risco de estragar aquilo que interpreta. Nos seus 27 anos de idade, fez coisas espantosas. Por exemplo, Khachatryan gravou este disco há três anos atrás. Para mim, a gravação é primorosa. Resolvi postá-la por hoje ser uma data especial. Há 328 anos, nascia na Alemanha, aquele que é considerado por muitos (e com razão) como um dos maiores gênios da humanidade. Há uma discussão pouco relevante com relação a data. Deve ser considerado o calendário gregoriano ou juliano para interpretar o evento? O fato é que se considerarmos o calendário juliano, Bach teria nascido em 31 de março, já que existe uma diferença de dez dias de um calendário para outro. A convenção feita pelo papa Gregório XIII acabou sendo adotada em todo mundo. É o que temos hoje. Não é preciso dizer que a Alemanha luterana de Bach não adotou de imediato o calendário do papa. Isso ocorreu somente em 1700. Bach nascera em 1685. De qualquer forma, tendo nascido dia 21 ou 31 de março, o importante é que Bach nasceu. Deus disse: "Que haja luz!" E fez-se Bach! Deus continuou: "Que haja as estrelas!" E novamente fez-se Bach. Fico pensando se Bach não tivesse existido. O universo da arte não seria o mesmo. Fico lendo a discussão dos filósofos em torno da existência da metafísica e penso orgulhoso: "Eles se esquecem de Bach!" A metafísica existe, por que Bach existiu. Deus existe, porque Bach existiu. O contrário é duvidoso. Mas, se Deus não existe, Bach fê-lo existir. Ele é a mente Deus fecundando arte, fazendo-a nascer no mundo dos homens. Sem Bach, a possibilidade de trascendência do ser humano seria diminuída. Todo ser humano distigue-se na natureza por essa capacidade. A evasão do ser só é possível no homem. Ele consegue projetar a consciência do ser na direção do infinito. Todos os homens têm essa capacidade, mas trascender a si mesmo ouvindo Bach é uma experiência sui generis, daquelas singularizadas pela própria natureza. Vai para você, frequentador desse humilde espaço, essas Partitas e Sonatas do grande mestre. Gravação primorosa. Som cristalino. Timbres certeiros, capazes de nos espirilar em nos lançar em direção à galáxia mais próxima. Boa apreciação!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) - 

DISCO 01

01. Sonata_N.1_Adagio
02. Sonata_N.1_Fuga
03. Sonata_N.1_Siciliana
04. Sonata_N.1_Presto
05. Partita_N.1_Double
06. Partita_N.1_Allemande
07. Partita_N.1_Corrente
08. Partita_N.1_Double
09. Partita_N.1_Sarabande
10. Partita_N.1_Double
11. Partita_N.1_Bouree
12. Partita_N.1_Double
13. Sonata_N.2_Grave
14. Sonata_N.2_Fuga
15. Sonata_N.2_Andante
16. Sonata_N.2_Allegro

DISCO 02

01. Partita_N.2_Allemande
02. Partita_N.2_Corrente
03. Partita_N.2_Sarabande
04. Partita_N.2_Giga
05. Sonata_N.3_Adagio
06. Partita_N.2_Ciaccona
07. Sonata_N.3_Fuga
08. Sonata_N.3_Largo
09. Sonata_N.3_Allegro_assai
10. Partita_N.3_Preludio
11. Partita_N.3_Gavotte_en_rondeau
12. Partita_N.3_Loure
13. Partita_N.3_Menuet_I
14. Partita_N.3_Menuet_II
15. Partita_N.3_Bourree
16. Partita_N.3_Gigue

Você pode comprar este disco na Amazon

Sergey Khachatryan, violino


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!
 

7 comentários:

Nina disse...

"E fez-se Bach!"

Palavras apaixonadíssimas à altura do gênio!

Só uma pequenina correção: Sergey é ainda mais jovem no que sugere o texto, completará 28 anos em abril.

Saudações cordiais e obrigada pelo post-presente!

Dirceu Scarparo Vargas disse...

Plagiando Mozart ¨Fiquem de Olho neste Violinista¨.Abraço do Dirceu.

Doni França disse...

Belas palavras.

W. M. Almeida disse...

Grande postagem, grande Bach.

Carlinus disse...

É verdade, Nina! Fiz as contas erradas. Ele nasceu em 1985. Portanto, completará 28 anos. Corrija-se!

Obrigado a todos pelos comentários!

Arnaldo Bachiano disse...

Sem a pretensão de ser egocêntrico, Bach fez o milagre de me fazer gostar, de fato, de música erudita, pois, até então, fingia que gostava, apenas prá, digamos assim, esnobar, dizer que sou intelectual e ter um gosto apurado. Hoje, gosto tanto que cheguei a estudar música (teclado). Ouço Bach, como religião. E cada vez que ouço outros grandes mestres, aí incluídos os outros dois componentes da chamada "Santíssima Trindade" da música erudita, Mozart e Beethoven, mais me convenço de que Bach é o Deus maior da música, muito à frente dos outros! Que os outros me perdoem, mas é a pura verdade das partituras!

Carlinus disse...

Bonita a sua confissão!

Abraços musicais!