sábado, 30 de março de 2013

Johannes Brahms (1833-1897) - Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a, Nanie Op. 82 e Symphonie No. 4 in E minor Op. 98

É curioso como a profundidade, a densidade e a genialidade das 4 sinfonias de Brahms se mantêm constante da primeira à quarta. Nenhuma das quatro sinfonias é menor que a outra. As quatro possuem dimensões muito particulares, mas, do meu ponto de vista, não existe aquela a qual possamos dizer: "esta é melhor do que esta". Acabei de ouvir a número quatro e me resta a certeza de que é uma das coisas mais belas que já foram escritas. O primeiro movimento é uma provocação. Brahms já nos coloca no meio do torvelinho, de uma grande massa sonora. É como se chegássemos a algum lugar e a grande festa já estivesse acontecendo. E o que dizer do segundo movimento - o Andante moderato? Uma das reflexões mais belas que já foram escritas em toda a história da música. É impossível ouvir algo assim e continuar o mesmo. Acredito nessa dialética. Brahms nos melhora. Certamente, uma das grandes gravações que já ouvi da Quarta com o Abbado. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) - 

Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a
01. Variations On A Theme By Joseph Haydn Op. 56a

Nanie Op. 82
02. Nanie Op. 82

Symphonie No. 4 in E minor Op. 98
03. I Allegro non troppo
04. II Andante moderato
05. III Allegro giocoso
06. IV Allegro energico e passionato

Você pode comprar este disco na Amazon

Berliner Philharmoniker
Rundfunkehor Berlin
Claudio Abbado, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua particpação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blogo vivo!
 

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito obrigado pelas postagens. Gostei muito das gravações de Abbado. Gosto também das sinfonias de Brahms sob a regência do Simon Rattle.

Abraços musicais.

Rafael

Unknown disse...

Conheci esta sinfonia através de um bolação, Karl Böhm e a Filarmônica de Viena. Parece que a gravação é de 1976. Acredito que é uma das mais apaixonantes músicas jamais composta. Recentemente pude assistir ao Philippe Herreweghe regendo a Orquestre des Champs-Élysées. Foi bonito, todos os músicos muito competentes mas acho que ainda precisa trabalho para chegar a uma gravação.
Em CD tenho Carlo Maria Giulini com a New Phillharmonia, de 1979. Gosto muito.Por coincidência, tocou hoje na Radio MEC.
Alguém tem dúvida que o terceiro "b" é Brahms?

Anônimo disse...

Extraordinario. Gracias.

Anônimo disse...

Hi, Reupload please!!!