quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Louis Spohr (1784-1859) - Symphony No.9 in B minor, Op.143, 'The Seasons', Symphony No.7 in C major, Op.121, Introduzione in D major, WoO5 e Festmarsch in D major, WoO3

Um textinho da wikipédia para uma postagem apressada de final de noite: "Spohr nasceu em Braunschweig no ducado de Brunswick-Lüneburg. Era filho de Karl Heinrich Spohr e Juliane Ernestine Luise Henke e durante toda a infância mostrou talento para violino. Entrou para a orquestra ducal com a idade de 15 anos. Três anos depois foi enviado com o apoio do duque de Brunswick, numa viagem de um ano inteiro para São Petersburgo com o violinista virtuoso Franz Anton Eck. As primeiras composições notáveis de Spohr, incluindo o seu primeiro concerto para violino datam desta época. Depois de sua volta para a casa, o duque o concedeu uma licença para uma tournée de concertos no norte da Alemanha. Um concerto em Leipzig em Dezembro de 1804 impressionou o influente crítico de música Friedrich Rochlitz,não apenas pela habilidade técnica de Spohr mas também por suas composições. Este concerto deu ao jovem fama instantânea em todo o mundo de fala alemã. Em 1805, Spohr foi contratado como mestre de concerto na corte de Gota, onde ficou até 1812. Lá, conheceu a harpista de 18 anos de idade Dorette Scheidler, filha de um dos cantores da corte, e se apaixonou por ela. Casaram-se no ano seguinte. Apresentaram-se com sucesso juntos como um duo de violin e harpa, viajando pela Italia (1816-1817), Inglaterra (1820) e Paris (1821), mas Dorette posteriormente abandonou a carreira de harpista e se concentrou em criar os filhos. Sua morte prematura em 1834 o trouxe grande dor. Spohr então trabalhou como regente no Theater an der Wien, Viena (1813-1815), onde ele se tornou amigo de Beethoven; subseqüentemente foi o diretor de ópera em Frankfurt (1817-1819) onde pôde produzir as próprias óperas — a primeira das quais, Faust, havia sido rejeitada em Viena. O mais longo cargo de Spohr, de 1822 até a morte em Kassel, foi como diretor de música na corte de Kassel, uma posição oferecida a ele por sugestão de Carl Maria von Weber. Em Kassel em 3 de Janeiro de 1836, ele se casou com sua segunda esposa, Marianne Pfeiffer, de 29 anos de idade. Ela viveu muito tempo depois da morte de Spohr, até 1892. Além da Alemanha, Spohr tem agora descendentes em Portugal. Como Haydn, Mozart, Beethoven, e seu contemporâneo Johann Nepomuk Hummel, Spohr era ativo como maçom.

Louis Spohr (1784-1859) - Symphony No.9 in B minor, Op.143, 'The Seasons', Symphony No.7 in C major, Op.121, Introduzione in D major, WoO5 e Festmarsch in D major, WoO3

Symphony No.9 in B minor, Op.143, 'The Seasons'
01. Part 1 - 1. Winter_ Allegro
02. Part 1 - 2. Transition To S
03. Part 1 - 3. Spring_ Moderat
04. Part 2 - 1. Summer_ Largo
05. Part 2 - 2. Introduction to
06. Part 2 - 3. Autumn_ L'istes

Symphony No.7 in C major, Op.121
07. 1. The world of childhood_ Adagio - Allegr
08. 2. The age of passion_ Larghetto - Allegro
09.  3. Final victory of the divine_ Presto - A

Introduzione in D major, WoO5
10. Introduzione in D major, WoO5

Festmarsch in D major, WoO3
11. Festmarsch in D major, WoO3

Você pode comprar este livro na Amazon

Orchestra Della Svizzera Italiana
Howard Shelley, regente


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ajuda a manter o nosso blog vivo!

Um comentário:

Fabio ZF disse...

Carlinus:

No final do texto que você transcreveu da wikipedia, há menção de que Haydn, Mozart, Beethoven, Hummel e o próprio Spohr eram maçons.

Eu discordo que Beethoven tenha sido maçom. Alguns sites maçônicos afirmam que ele era pertencente à ordem. Mas, já li textos que dizem que não existem provas sobre tal fato. De Mozart e Haydn existem provas em arquivos maçônicos, já amplamente divulgados. Mas quando se trata de Beethoven não há qualquer prova sobre sua trajetória na maçonaria. Existem só testemunhos indiretos e elementos circunstanciais.

Eu acredito que Beethoven tinha amigos maçons e era influenciado pelas idéias deles. Mas, não acho que ele era maçom.

Observe o que se diz sobre ele neste site maçônico: http://www.freemasons-freemasonry.com/rela%C3%A7%C3%A3o_ma%C3%A7ons.html

No mínimo, pode-se dizer que há dúvida sobre esse fato.

Veja essa análise coerente sobre o assunto, por outro site maçon: http://filosofismogo.org.br/ler-trabalho.php?id=66&loja=13

É mais um tema palpitante sobre a
biografia deste gênio da humanidade.