domingo, 22 de maio de 2011

Ludwig van Beethoven (1770-1827) - Sinfonia No. 9 em Ré menor, Op. 125

Há muitas afirmações e teses sobre a Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven. Trata-se de um dos momentos mais sublimes já conseguidos pelo homem. É uma obra imortal, com certeza. Utilizo abaixo um pequeno trecho explicativo da wikipédia: "Beethoven estava ansioso para ver sua obra executada em Berlim o mais rápido possível, após terminá-la. Acreditava que o gosto musical de Viena estivesse dominado por compositores italianos como Gioacchino Rossini. Quando seus amigos e patronos ouviram isso, insistiram para que ele estreasse a sinfonia em Viena. A Nona Sinfonia foi executada pela primeira vez no dia 7 de maio de 1824, no Kärntnertortheater, juntamente com a abertura Die Weihe des Hauses ("A Consagração da Casa") e as primeiras três partes da Missa Solene. Esta era a primeira aparição do compositor sobre um palco em doze anos; a casa estava cheia. As partes para soprano e contralto da sinfonia foram executadas por duas jovens e famosas cantoras da época, Henriette Sontag e Caroline Unger. Embora a performance tenha sido regida oficialmente por Michael Umlauf, mestre de capela do teatro, Beethoven dividiu o palco com ele. Dois anos antes, Umlauf havia presenciado a tentativa do compositor de reger um ensaio de sua ópera, Fidelio, que terminou em desastre, e desta vez pediu aos cantores e músicos que ignorassem Beethoven, então já totalmente surdo. No início de cada parte, Beethoven, sentado ao palco, dava indicações de tempo, virando as páginas de sua partitura e dando marcações à uma orquestra que não podia ouvir. O violista Josef Böhm escreveu: "O próprio Beethoven regeu a peça; isto é, ele ficou diante do atril e gesticulou furiosamente. Em certos momentos se erguia, noutros se encolhia no solo, e se movimentava como se quisesse tocar ele mesmo todos os instrumentos e cantar por todo o coro. Todos os músicos não prestaram atenção ao seu ritmo enquanto tocavam." Alguns relatos de testemunhas sugerem que a execução da sinfonia na noite de estréia teria sido pouco apurada, devido ao pouco número de ensaios que haviam sido realizados (apenas dois com a orquestra inteira). Por outro lado, foi um grande sucesso. Enquanto a platéia aplaudia - os testemunhos não deixam claro se isto teria ocorrido no final do scherzo ou da sinfonia - Beethoven, que, em sua "regência", ainda estava atrasado em diversos compassos em relação à música que havia acabado de ser executada, continuava a reger, acompanhando a partitura. Então, a contralto Caroline Unger teria ido a ele e o virado em direção ao público, para aceitar suas exortações e aplausos. De acordo com um dos presentes, "o público recebeu o herói musical com o mais absoluto respeito e simpatia, e ouviu às suas criações maravilhosas, gigantescas, com a mais concentrada das atenções, irrompendo em jubilantes aplausos, frequentemente durante os movimentos, e, repetidamente, ao fim de cada um." Toda a plateia o aplaudiu de pé por cinco diversas vezes; lenços foram erguidos ao ar, assim como chapéus e mãos, para que Beethoven, que não podia ouvir o aplauso, pudesse ao menos vê-lo. Beethoven deixou o concerto extremamente comovido". Esta gravação é histórica. Realizada em 1975, pela New York Philharmonic, tem sob a direção o consagrado Pierre Boulez. Não deixe de ouvir e apreciar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) - Sinfonia No. 9 em Ré menor, Op. 125

01. Announcer
02. Allegro ma non troppo, un poco maestoso
03. Molto Vivace
04. Adagio Molto e Cantabile; Andante moderato
05. Finale: Presto assai

Live Oct. 1975

Você pode comprar este CD na Amazon

New York Philharmonic
Pierre Boulez, regente

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda manter o nosso blog vivo!


3 comentários:

Euterpe disse...

Saludos. Yo también tengo un blog musical, dedicado en concreto a unos excepcionales intérpretes, como podrán ver si lo visitan. Aquí os dejo el enlace. Gracias.

Carlinus disse...

Obrigado pela visita, Euterpe. Já conhecia o seu blog.

Abraços!

Lico AZevedo disse...

Estou descobrindo o blog hoje, gostei muito. Corro atrás de uma gravação de Pierre Boulez da Quinta de Beethoven, onde ele alterou o andamento da peça, principalmente o início. Ao que eu saiba essa gravação só saiu no Brasil em vinil e nunca foi posta em CD.