segunda-feira, 31 de março de 2014

Gustav Mahler (1860-1911) - Symphony no. 4 in G

Curiosamente, neste mês de março, conseguimos chegar às cinquenta e três postagens. É o mês que mais postamos. Superamos dezembro do ano passado, quando chegamos às cinquenta e uma postagens. Isso não significa muita coisa. Mas é que no meio da rotina, em meio ao cansaço, tentamos realizar um trabalho satisfatório a fim de polinizar a boa música em uma época em que percebemos uma agressiva e maciça desumanização sendo fecundada em todos os cantos. E a boa música, seja de qualquer gênero, tem o poder de nos trazer para um ponto de equilíbrio. O blog esta semana completará cinco anos. E, após cinco longos anos, continuamos animados para continuarmos a postar. Sigamos. O mais importante, mesmo com todo o meu diletantismo, é semear a beleza para que primaveras apareçam nos corações. Isso nos fará continuar humanos em meio à sensaboria do dia a dia dos grandes centros. Trago-vos Mahler. Impossível permanecer o mesmo ao ouvi-lo. O compositor sabia o que era coração humano. E sabia, acima de tudo, como alcançá-lo. Uma boa apreciação!

Gustav Mahler (1860-1911) - 

Symphony no. 4 in G

01. Bedachtig. Nicht eilen - Recht gemachlish
02. In gemachlicher Bewegung, ohne Hast
03. Ruhevoll. Poco adagio
04. Sehr behaglich

Você pode comprar este disco na Amazon

Royal Concertgebown Orchestra
Bernard Haitink, regente
Elly Ameling, soprano

BAIXAR AQUI

*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante. Ela ajuda a manter o nosso blog vivo!
 

2 comentários:

Marcelo Marat disse...

O blog é um oásis nesse deserto da cultura de massa. Desfrutemos enquanto não censuram a net.

Agnaldo Sousa Matos disse...

Caro Carlinus, Administrador do Blog, tenho acompanhado o seu blog todos os dias, e na medida do possível aprecio as musicas que vc indica, não tenho o conhecimento necessário para a perfeita audição dos clássicos, acredito que não basta só a fisiologioa otorrinologica para tanto, vai muito alem, seu blog e seus pertinentes comentários tem mostrado-me o local da picada nesta vasta floresta, parabéns pelos cinco anos.