sábado, 23 de outubro de 2010

Richard Wagner (1813-1883) - Die Walküre (A Valquíria)

A edição número 51 da Revista Filosofia Ciência e Vida, da qual sou assinante, trouxe um artigo interessante sobre as óperas de Wagner. O título do artigo é "Óperas com um toque de Filosofia". A seguir segue um fragmento do texto:

As óperas de Richard Wagner (1813-1883) fazem parte do repertório de todo o circuito mundial da música. Se em vida o compositor encontrou, durante longa parte de sua atribulada existência, grande resistência dos círculos musicais mais conservadores, incapazes de conceder o valor devido a seu gênio criativo, a passagem dos anos permitiu que se fizesse justiça histórica a seu talento singular. Como compositor, Wagner subverteu a música ao propor inovações técnicas e estéticas que até então não haviam sido devidamente realizadas por seus predecessores. Tais modificações na estrutura dramática das óperas e da própria concepção sobre a natureza da música foram motivadas por questões de cunho filosófico, o que pode ser percebido ao se analisar o cerne de sua criação teórica, especialmente os escritos A Arte e a Revolução e A Obra de Arte do Futuro. Sua vasta produção intelectual não se encerra nesses dois ensaios, mas o estudo deles permite entender a gênese de suas propostas estéticas. A obra teórica de Wagner é marcada pela assimilação de diversas correntes filosóficas que também se refletem imediatamente nos enredos dramáticos de suas óperas. Dessa maneira, encontramos ecos das ideias de Feuerbach em Tannhäuser, a partir da noção de "sensualidade sadia"; de Proudhon, no caráter libertário do personagem Siegfried, da tetralogia O Anel de Nibelungos, lutando contra toda autoridade sustentada pela opressão e pela maldição da riqueza material como fonte de toda corrupção humana; de Schopenhauer, no libreto de Tristão e Isolda, ópera na qual encontramos uma autêntica aplicação dramática das teses apresentadas em O Mundo como Vontade e como Representação, assim como na obra que é a culminação artística de Wagner, Parsifal. De todos os grandes compositores da tradição musical ocidental, talvez seja Richard Wagner justamente aquele que tenha elaborado uma compreensão filosófica sobre a criação artística, a sociedade moderna e as suas relações políticas de forma mais consistente e enriquecedora para o debate intelectual da cultura oitocentista e mesmo para as pesquisas estéticas posteriores. Wagner se destaca dos compositores de até então por vislumbrar em sua carreira a conciliação entre seu ofício musical e sua produção teórica. Se houve antes dele compositores dotados de sólida formação intelectual, certamente o gênio de Leipzig foi quem soube externar publicamente de forma mais apurada tais qualidades. A obra teórica de Wagner é marcada pela assimilação de diversas correntes filosóficas que também se refletem nos enredos de suas ópera. As contribuições mais importantes de Wagner para a Filosofia se dão em sua estética engajada, marcada pela politização de suas ideias. Nos ensaios A Arte e a Revolução e A Obra de Arte do Futuro encontram-se o projeto de transformação radical das bases valorativas da sociedade europeia oitocentista, mediante a sua reeducação estética e a criação de um gênero artístico que envolvesse efetivamente a participação do povo em seu processo de elaboração. Se até então as condições técnicas que possibilitavam a criação artística se encontravam nas mãos das classes abastadas (primeiramente o mecenato aristocrático e, posteriormente, o financiamento burguês), tornava-se necessário o pertencimento dos recursos artísticos aos maiores interessados nesses bens culturais: a classe dos artistas e aqueles que verdadeiramente dignificam as suas criações.
Wagner se engajou efetivamente nas revoluções populares ocorridas a partir de 1848 e, refletindo esse anseio de transformação social radical, considerava que o genuíno artista deveria desenvolver a capacidade de utilizar os recursos artísticos em prol da criação de uma instância estética renovadora do ímpeto criativo recalcado pelo conservadorismo musical então vigente, capitaneando- se, assim, meios que permitissem o surgimento da "ópera revolucionária". Servindo como instrumento de insurreição contra os normativos padrões morais estabelecidos por uma classe social desprovida de refinamento cultural, essa "ópera revolucionária" desenvolveria nos espectadores um conjunto de sentimentos impetuosos em prol da transformação social. Tais disposições seriam propícias para a modificação da decadente estrutura cultural vigente, marcada pela incompreensão do verdadeiro sentido artístico, pois utilizava a criação artística para fins comerciais e impedia o florescimento da genialidade de talentos relegados ao esquecimento. Para que essa situação se modificasse, a sociedade moderna, esteticamente renovada, deveria somar esforços para a formação do homem de gênio, capaz de aliar a nobreza de espírito à disposição criativa necessária para o empreendimento de grandes obras transformadoras da realidade sociocultural existente (WAGNER, A Arte e a Revolução, p. 56).

Leia mais AQUI

Richard Wagner (1813-1883) - Die Walküre (A Valquíria).

DISCO 1

Ato 1

01. Vorspiel - I Act
02. Wes herd dies auch sei
03. Kühlende labung gab mir
04. Müd am herd fand ich den mann
05. Friedmund darf ich nicht heiBen
06. Aus dem wald trieb es mich fort
07. Ich weiB ein wildes geschlecht
08. Ein schwert verhieB mir der vater
09. Schläfts du, gast
10. Winterstürme wichen dem wonnemond
11. Du bist der lenz
12. Wehwalt heiBt du fürwahr

Ato 2

13. Vorspiel - II Act
14. Nun zäume dein roB

DISCO 2

01. Der alte sturm
02. So ist denn aus mit den ewigen göttern
03. Nichts lerntest du
04. Was verlangst du
05. Schlimm, fürcht' ich, schloB der streit
06. Was keinen in worten ich künde
07. Ein andres ist's
08. O sag', künde!
09. Raste nun hier
10. Hinweg! hinweg!
11. Siegmund! sieh auf mich!
12. Hehe bist du, und heilig gewahr' ich
13. So wenig achtest du ewige wonne

DISCO 3

01. Zauberfest bezämt ein schlaf
02. Kehrte der vater nur heim!

Ato 3

03. Vorspiel - III Act
04. Schüzt mich und helft
05. Nicht sehre dich sorge um mich
06. Steh'! Brünnhild'!
07. Wo ist Brünhild'
08. Hier bin ich, vater
09. Wehe! wehe'! schwester
10. War es so schmählich
11. Nicht weise bin ich
12. So tatest du
13. Du zeugtest ein edles geschlecht
14. Leb' wohl, du kühnes, herrliches kind!
15. Denn einer nur freie die braut
16. Loge, hör'! lausche hieher!

Você pode comprar na Amazon

Ano da gravação: 1954

Wiener Philharmoniker
Wilhelm Furtwängler, regente
Brünnhild.......................................Martha Möld
Sieglinde.......................................Leonie Rysanek
Wotan...........................................Ferdinad Frantz
Siegmund........................................Ludwig Suthaus
Fricka..........................................Margarete Klose
Hunding.........................................Gottlob Frick
Gerhilde........................................Gerda Schreyer
Ortlinde........................................Judith Hellwig
Waltraute.......................................Dagmar Schmedes
Schwertleite....................................Ruth Siewert
Helmwige........................................Erika Köth
Siegrune........................................Herta Töpper
Grimgerde.......................................Johanna Blatter
Rossweisse......................................Dagmar Hermann

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

BAIXAR AQUI CD3


*Se possível, deixe um comentário. Sua participação é importante!


3 comentários:

Anônimo disse...

Meu caro e atencioso amigo: muito interessante a postagem com o texto da edição da revista. Acredito que Wagner, suas óperas e estética musical e artísticas abrem portas para uma compreensão do que para ele seria o futuro, e para nós,o presente.
Busco nele e em Nietzsche um certo tempo mítico que nos falta cá nas terras brasileiras e que pode dar sentido e ressignificado na formação do homem brasileiro. Ecos de Nietzsche podem ser percebidos em Euclides da Cunha n' Os Sertões mas falta-nos uma identidade clássica musical que tão bem Wagner soube captar, moldar e introduzir na compreensão do homem alemão.
Parabenizo a postagem contudo é preciso frisar que uma das melhores gravações da segunda noite - Die Walküre - é a clássica e histórica empreitada de Geog Solti para a Decca com elenco estelar wagneriano e insuperável da década de 60 do século XX ( soa estranho, assim, não é ? ).
"Du siehst, mein Sohn,zum Raum wird hier die Zeit." ( R. Wagner in PARSIFAL )
Prosit !

Lievin disse...

Meu caro.

Excelente postagem. Aproveitando o ensejo, pergunto se o amigo não possui a tetralogia completa para a disponibilização ou, ainda, quaisquer outras obras completas do compositor, eis que muitíssimo difícil encontrá-las na web.

Obrigado por tua enorme atenção a essa nossa comunidade.

michell maximo disse...

O link está quebrado, se puder postar novamente, agradeço!!